Seções de votação são fechadas em eleições presidenciais da Colômbia

Seções de votação são fechadas em eleições presidenciais da Colômbia

As seções de votação das eleições presidenciais na Colômbia deste domingo (27) fecharam após oito horas de comparecimento da população às urnas para escolher o substituto de Juan Manuel Santos.

"Podemos reportar a plena normalidade na jornada eleitoral na Colômbia", no encerramento das urnas às 16h locais (18h de Brasília), disse a jornalistas o encarregado do registro nacional, Juan Carlos Galindo.

As pesquisas indicam vantagem do candidato da direita, mas com a necessidade de um segundo turno. A diminuição da desigualdade, o combate ao narcotráfico, as paz com grupos armados e o controle das fronteiras estão entre os principais desafios do novo presidente da Colômbia.

O ambiente político no país está polarizado. De um lado, a direita está representada pelo "uribista" Iván Duque, à frente nas pesquisas. De outro, a esquerda tenta eleger o ex-guerrilheiro e ex-prefeito de Bogotá, Gustavo Petro.

Outros três candidatos são: Sergio Fajardo, ex-prefeito de Medellín (centro); German Vargas, ex-vice-presidente (centro); e Humberto De La Calle, ex-negociador de paz com as Farc (centro-esquerda).

Nenhum deles parece ter a capacidade de superar os 50% dos votos necessários para vencer no primeiro turno. Nesse caso, eles teriam que se enfrentar em um segundo turno em 17 de junho.

Segundo a última pesquisa empresa Invamer, divulgada em 19 de maio, Duque tem uma vantagem de 12 pontos percentuais sobre Petro, a quem derrotaria em um segundo turno. O candidato do ex-presidente Uribe aparece com 41,5% das intenções de voto, enquanto Petro sai com 29,5%. Os outros candidatos são Sergio Fajardo (16,3%), Germán Vargas Lleras (6,6%) e Humberto De La Calle (1,9%).

Pela primeira vez na história do país, segundo a agência Efe, quatro mulheres são candidatas a vice-presidente e têm a possiblidade real de alcançar o cargo.



EspaçoPB - G1

O que estão comentando...

Comentários